Vereador José Maria Caldeira (PMDB) Imprimir E-mail
Entrevistas
Sex, 24 de Abril de 2009 11:16

Nascido em Itapoá, em 1964, José Maria Caldeira morou, ainda, em Guaratuba/PR e Joinville, antes de se casar e fixar residência em nosso Município. Sempre trabalhou na área administrativa e ajudou a fundar algumas associações em Itapoá. Quando morou em Joinville, formou-se Técnico em Administração Plena e trabalhou por 10 anos no setor de RH (recursos humanos) de uma importante multinacional. Lá, aprendeu a lidar com o INSS, rescisão de contrato e muitas outras coisas que veio a utilizar em trabalhos voluntários realizados aqui em Itapoá, os quais tornaram José Maria Caldeira mais conhecido da comunidade.

De que forma se desenvolveu sua história política?
Esse meu trabalho, queira ou não queira, apesar de não ser algo político declarado, sempre foi um trabalho político, de apoio à comunidade. Nunca com essa intenção de ser político ou me candidatar a vereador, nem nada, mas como já vinha fazendo um trabalho direcionado ao atendimento da população, através dos estabelecimentos comerciais, da Associação Comercial, da CDL (Câmara dos Lojistas), das associações de bairros e isso tudo é política, a coisa foi afunilando e eu sempre nesse meio, acabei entrando na política naturalmente. Não precisei fazer muito esforço, pois foi uma iniciativa do povo, só precisei aceitar e me candidatar, efetivamente. Eu acredito que meu trabalho sempre foi político, apesar de não intencionalmente. Participei da eleição anterior (2004), com uma campanha humilde, e fui muito bem votado, conquistando 140 votos, mas não fui eleito. Na segunda eleição (2008), todo mundo sabia que eu era candidato e, então, obtive êxito.

De que forma o senhor avalia o voto de confiança dos itapoaenses ao o elegerem ano passado? Como pretende retribuir essa confiança?
Avalio de forma muito positiva. Foi o reconhecimento pelo meu trabalho na comunidade. Vou continuar o trabalho que sempre desenvolvi dentro das comunidades. Já criamos, esse ano, a Cooperativa do Transporte, na intenção de dar oportunidade para que todos os caminhoneiros de Itapoá venham a ter oportunidade de trabalhar com o porto futuramente e, também, em outras oportunidades de transporte. Essa cooperativa já é uma contribuição minha para a comunidade. Existe a Cooperativa da Construção Civil de Itapoá (COOPERCITA) que já fundamos há alguns anos e estamos reestruturando ela, uma vez que também pode auxiliar, desde já, aos trabalhadores da Construção Civil de Itapoá, para que se encaixem nos trabalhos de construção do porto. Existe a CDL que eu não abandonei e continuo dando apoio a ela. Montamos também o “Escritório da Cidadania” que está funcionando ao lado do “Rei do Básico” e estamos dando apoio ao Programa Segundo Tempo. Tenho, também, a minha comunidade, a ACOIN (Associação Comunitária de Itapema do Norte), a qual continuo dando apoio e fortalecendo a associação e a “Cozinha Comunitária”. Então esses são os trabalhos que estou realizando para retribuir os votos de confiança da comunidade.

Qual a sua prioridade de trabalho em relação a projetos para o Município? Algum projeto que você considere imprescindível?
Projetos, temos bastante, mas o que está mais necessitando de atenção em nossa comunidade atualmente são as crianças, os adolescentes e os idosos do Município. Eu procuro sempre trabalhar, olhando por eles, pois eles têm uma dificuldade muito grande para viver aqui. Então, estou sempre trabalhando em projetos voltados a eles. Se cuidarmos bem de nossas crianças, teremos bons adultos no futuro. Faz muitos anos que sou catequista, então sempre trabalhei, também, com crianças e adolescentes e pretendo continuar trabalhando.

O senhor pretende fazer alguma sugestão ao Plano Plurianual – PPA, nesse sentido?
Temos bastantes sugestões. Estou me inteirando sobre o que já está no PPA apresentado pelo Poder Executivo para poder ver o que podemos sugerir para que seja incluído ou melhorado. Existem vários programas de assistência social, de educação, de saúde e, ainda, temos que melhorar o nosso Conselho Tutelar e bastantes coisas que estão em situação precária. Coisas que existem, mas estão sem condições de funcionar corretamente. Hoje, por exemplo, as pessoas têm muita dificuldade para entrar em contato com o Conselho Tutelar, seja para fazer denúncia ou para pedir ajuda. Então, existe falha no funcionamento e precisamos resolver isso.

Como o senhor avalia o trabalho do Poder Executivo desenvolvido até o momento nessa gestão?
O Prefeito tem como característica ser um bom administrador e, realmente, é. No momento, ele está trabalhando, ainda, com o PPA definido pela gestão anterior e, de certa forma, está de mão atadas. Acredito que ele está muito bem e de parabéns por enquanto, porque não é fácil enfrentar a transição de gestão. Então, acredito que a partir de 2010 é que ele passará a trabalhar por ele mesmo e mostrará mais serviço. Por enquanto, ele está dando continuidade ao que o Prefeito anterior deixou e é até difícil ele querer mudar alguma coisa, porque precisa seguir aquele PPA da gestão passada.

O que o Senhor espera da atual gestão do Poder Executivo do Município?
O povo mostrou que queria, mesmo, o Ervino na Prefeitura, pois ele teve uma votação expressiva. Acredito que tudo o que a gente espera de uma Itapoá melhor, vai acontecer a partir do ano que vem, com o Ervino como Prefeito.

E o trabalho do Poder Legislativo, até o momento, como o senhor avalia?
Está excelente. Muito bom, mesmo. Todos os vereadores estão unidos e não se fala em situação ou oposição. É isso que os munícipes querem. Já tivemos uma experiência ruim na gestão passada, mas agora estamos caprichando.

O que o senhor espera da atual gestão do Poder Legislativo do Município?
Espero que continue assim. Vereadores unidos e sempre visando o melhor para o Município.

Em relação à audiência pública sobre a Lei nº. 140/2007 que regulamenta o comércio temporário no Município, houve opiniões divergentes sobre o assunto. Qual a sua posição sobre o comércio temporário e as feiras de verão (Expoverão e Itapemar)?
Assim que a primeira feira temporária foi implantada em Itapoá, tivemos muitos problemas e alguns comércios locais até fecharam. Se era para ter feito alguma coisa, tinha que ser feito naquela época. Atualmente, essas feiras já fazem parte do calendário de nosso comércio e muitos turistas já estão acostumados com essas feiras. Eu penso que agora essas feiras têm que continuar ocorrendo, têm que ser regulamentadas. Isso sem contar que Itapoá não é mais aquela de dez anos atrás em que uma pessoa vinha, abria uma barraquinha aqui, ganhava dinheiro e ia embora. Hoje, não é mais assim. A pessoa para abrir o seu comércio aqui, tem que estar estabilizada no Município para ter tranquilidade de trabalhar bem e ir crescendo aqui. Não há muito a ser feito, a não ser regulamentar as feiras para que não tragam prejuízo aos comerciantes locais.

Recentemente, a Câmara foi sede de uma interessante discussão sobre a erosão em nossa orla marítima, como o senhor avalia essa situação? De que forma o Legislativo pode auxiliar a sanar ou amenizar esse problema?
Eu vejo da seguinte forma: já temos conhecimento do motivo dessa erosão, pois é um assunto bastante estudado e discutido. Trata-se realmente de um problema causado pelo Porto de São Francisco, quando tiram a areia que é depositada naturalmente em seu canal e jogam em alto mar. A corrente marítima leva a nossa areia para o norte e essa areia não é reposta pelas correntes que vêm do sul, causando esse problema de erosão. Precisamos achar uma forma de fazer com que as autoridades nos devolvam essa areia que está sendo jogada em alto mar. O Legislativo precisa criar projetos de lei que tornem viáveis esse retorno da areia à nossa costa marítima.

Qual a sua opinião em relação à construção e às atividades que o Porto desenvolverá em nosso Município?
Eu espero que seja mantido o que foi dito no começo das negociações do Município com o Porto, quando se dizia que seria priorizada a mão de obra local. Atualmente, estão oferecendo alguns cursos, mas são cursos particulares e caros. A maioria da população não tem acesso a esses cursos. Eu espero que seja, realmente, priorizado o povo itapoaense e que realmente a maioria do povo de Itapoá tenha serviço no porto e que o próprio TECON patrocine cursos que todo o povo de Itapoá tenha acesso. Acho que é importante essa capacitação para que toda Itapoá possa usufruir dos benefícios do Porto.

Como o senhor avalia o atual momento do nosso Município?
É um momento muito bom. A cidade está a caminho do progresso, está crescendo. É um momento muito bom, um momento de transição. Uma excelente oportunidade para todo mundo se dar bem aqui no Município.

Qual a mensagem que o senhor deixa para a população itapoaense e, até mesmo, para os turistas que frequentam nosso Município?
A mensagem que eu deixo é para que acreditem bastante nessa administração, pois tanto no Legislativo quanto no Executivo, procuraremos estar fazendo o melhor para Itapoá. Peço para que acreditem, incentivem e apoiem. Não dêem bola aos fofoqueiros de plantão que só querem falar mal da nossa cidade. Itapoá tem muita coisa boa.

 

Adicionar comentário

Política de Comentários DI

Ao efetivar um comentário, o internauta concorda com a nossa política de moderação.


Código de segurança
Atualizar