Delegado da Polícia Civil de Itapoá, Rodrigo Carriço Lemes Imprimir E-mail
Entrevistas
Dom, 15 de Fevereiro de 2009 11:00

Natural de Cubatão, no litoral de São Paulo, e em Itapoá desde setembro de 2006, na função de Delegado da Polícia Civil, Rodrigo Carriço Lemes , 28 anos, concedeu-nos a seguinte entrevista:

A Delegacia da Polícia Civil conta com quantos servidores?
Fora da temporada, contamos com quatro investigadores, um comissário, um escrivão e um delegado, mas agora nosso escrivão permanente foi removido. Nessa temporada, estamos contando com um reforço de cinco policiais, sendo um escrivão e quatro investigadores.

Findo o mês de janeiro, qual a análise que se pode fazer sobre a Segurança Pública de Itapoá nessa temporada?
Tivemos uma temporada bem positiva e tranquila. Não houve crimes graves, roubos e nem homicídios. Foi uma temporada bem boa nesses aspectos. Comparando com outros anos, inclusive, tivemos um número bem reduzido de delitos. Acredito que isso se deva um pouco pela diminuição no número de veranistas por causa dos problemas que o município teve com as chuvas. Além disso, sempre contamos com um aumento considerável no efetivo policial nesses períodos de temporada, principalmente em relação ao número de policiais militares.

Qual está sendo a infração mais comum nessa temporada?
Como sempre, furto em residência.

Sabe-se que existe um reforço na Segurança Pública do município na temporada, como funciona?
Estipulam-se quantos policiais vão ser necessários e deslocados para o litoral na temporada. Geralmente, deslocam os policiais do interior do estado. Dessa vez, vieram para Itapoá policiais de São Bento do Sul e de Mafra.

Finalizando a temporada e acabando o reforço policial, a estrutura da Segurança Pública em Itapoá, no que se refere à Polícia Civil, é auto-suficiente para a sua demanda?
Infelizmente não. Em se tratando de Polícia Civil, precisaríamos de mais uns quatro policiais e de viaturas novas, pois as que temos já se encontram sucateadas.

Fora de temporada, qual a infração mais comum que vocês registram?
Não muda muito, continua sendo furto em residência. A diferença é que na temporada, esses furtos ocorrem nos dias em que os turistas estão usando as casas, geralmente, quando eles vão para a praia e deixam os seus pertences em casa. Fora da temporada, isso ocorre de forma diferente, quando os veranistas já não se encontram no município e as casas são arrombadas.

Fazendo um balanço deste tempo em que o senhor se encontra como Delegado da Polícia Civil no Município, como você avalia a atual situação do problema de tráfico de entorpecentes em Itapoá?
Diminuiu bastante. Quando cheguei aqui, esse problema era bem maior. Se hoje, ainda ocorre, está acontecendo de forma mais camuflada, pois não estamos tendo muitas notícias a respeito desse crime. Nós, da polícia civil, estamos marcando em cima. O que tínhamos de traficantes maiores e mais influentes, já os prendemos. Estamos efetuando algumas prisões de traficantes de pequeno porte. Esse ano, prendemos dois deles. Combatemos forte o tráfico de drogas e posso dizer que tivemos uma boa redução desse problema.

Recentemente, o Diário de Itapoá publicou uma matéria referente à Lei Maria da Penha (violência doméstica). Têm ocorrido muitos casos em que essa Lei é aplicada em Itapoá?
Trata-se, atualmente, do maior número de prisões em flagrante no município. Para se ter uma idéia, de nove prisões em flagrante no total desse ano até aqui, quatro foram relacionadas à Lei Maria da Penha. É interessante que até o ano passado, a Lei Maria da Penha não era aplicada com tanta frequência e isso mudou bastante do início desse ano para cá. Mas ainda trata-se de um processo bem complicado, pois a pessoa chega à delegacia, pedindo providências urgentes e no outro dia, volta retirando a queixa e solicitando a liberdade do infrator. A aplicação dessa Lei depende exclusivamente da conscientização e da afirmação da denúncia pela mulher (vítima) para que sejam tomadas as devidas providências e para que o processo tenha andamento, caso contrário, de nada adianta.

Alguma previsão especial da Polícia Civil de Itapoá para o carnaval 2009?
Vamos contar, apenas, com o contingente reforçado da temporada e talvez mais três policiais que solicitamos.

Principais números da Delegacia de Polícia Civil de Itapoá no período do dia 01/01 ao dia 12/02/09:
- 67 furtos em residência;
- 24 acidentes de trânsito, sendo um deles com o motorista sob efeito de álcool e, no total, 14 pessoas feridas nesses acidentes;
- 18 ameaças contra homens;
- 11 lesões corporais dolosas (intencionais) contra homens;
- 10 furtos em veículos;
- 09 casos de violência doméstica contra mulheres (Lei Maria da Penha);
- 06 casos de ameaça doméstica contra a mulher.
No total, foram 420 atendimentos da Polícia Civil de Itapoá no período de 43 dias (01/01 a 12/02/09).

 

Adicionar comentário

Política de Comentários DI

Ao efetivar um comentário, o internauta concorda com a nossa política de moderação.


Código de segurança
Atualizar