Laboratórios de informática das escolas públicas de Itapoá contam com sistemas livres na educação de informática Imprimir E-mail
Educação
Dom, 04 de Abril de 2010 14:50

Alunos da rede pública de ensino de Itapoá contam com ensino de informática com softwares livres. As políticas públicas federais e estaduais estão garantindo cada vez mais, uma educação voltada para a nova cultura organizacional das empresas.


Na Escola Estadual Nereu Ramos, o laboratório de informática conta com sistema operacional Linux em todos os computadores. Dessa forma, além da escola oferecer conhecimento de informática básica, também oferece conhecimento em software livre. Isso garante um importante diferencial competitivo aos alunos da escola.


Na rede municipal de ensino, a mesma postura está sendo adotada, no que se refere à incentivo pela utilização de softwares livres.


A informática, atualmente, é item obrigatório na competitiva formação profissional, assim, a escola enquanto centro de formação e opinião, exerce um papel fundamental na consolidação da utilização de softwares livres.


Mas o que muda utilizando software livre?


Conheça um pouco mais sobre Software Livre e suas implicações no cenário nacional em TI – Francisco Soares


Inicialmente, cabe ressaltar alguns pontos importantes, como os aspectos de segurança e atualização. É um engano pensar que os softwares livres, como o BrOffice, não são atualizados ou seguros. Muito pelo contrário, pois esse é um dos pontos decisivos que o Governo Federal, por exemplo, optou pela mudança de sua Política Nacional de Tecnologia de Informação.

Na verdade, o Microsoft Office 2007 não é atualizado com tanta frequência quanto o BrOffice Write e o Calc, por exemplo. Isso acontece, pois os softwares livres em geral são mais atualizados pelos seus desenvolvedores, em um menor tempo. Esse é um dos motivos que softwares livres são mais seguros e corrigem os erros mais rapidamente que as soluções proprietárias. Basta pensar que existem desenvolvedores de softwares livres em todos os cantos do mundo, principalmente no Brasil, EUA, Índia, China, Japão e quase toda a Europa. Diferentemente do software proprietário, no caso a Microsoft, pois fica restrita a um único país e a uma quantidade de funcionários proporcionalmente pequena.

O Brasil, representada pelos seus governantes e gestores, tem a chance de se ver livre da dependência da Microsoft, a maior produtora privada de software proprietário do mundo. Essa dependência, não está relacionada somente aos 370 milhões de reais em economia aos cofres públicos, mas também, em questões de segurança nacional, incentivo ao desenvolvimento de tecnologia de informação regional, combate à pirataria, entre outros fatores.

A adoção do software livre faz parte de uma nova cultura organizacional da administração pública brasileira e mundial. Na verdade, a adoção do software livre não fica restrita apenas à Administração Pública, mas também à Iniciativa Privada. É um caminho sem volta, e empresas estarão se adequando a essa nova era na utilização de softwares livres em escala global.


A questão da implantação dos sistemas livres nas empresas é que muitos profissionais de TI não estão devidamente preparados para essa nova realidade, e acabam impedindo uma adoção mais rápida, porém como a economia é movida pela produção e seleção dos melhores métodos, esse impedimento certamente será superado.


MENSAGEM DO PRESIDENTE LULA PARA O “GUIA LIVRE - REFERÊNCIA DE MIGRAÇÃO PARA SOFTWARE LIVRE DO GOVERNO FEDERAL"

“Queridos companheiros e companheiras:

Neste ano de 2006, a maior parte das políticas públicas de nosso governo alcançaram a fase de maturidade. Dentre elas, merece destaque a que compreende Tecnologia da Informação e Comunicação. Nos últimos três anos, implementamos uma forte política de independência tecnológica, de fortalecimento da pesquisa em computação de alto desempenho, de inclusão digital e de adoção do software livre. Elementos que compõem uma política industrial e uma estratégia de desenvolvimento nacional para esse setor.

Quero agradecer a todos os que defendem o software livre e lutam pelo aprofundamento e ampliação dos direitos de cidadania em todo o mundo. As potencialidades e os desafios das novas tecnologias da informação têm cada vez mais importância para o efetivo exercício desses direitos. Em nosso ponto de vista, o acesso a esses avanços tecnológicos deve ser direito de todos e não privilégio de poucos. Por isso, o governo federal tem intensificado o diálogo democrático com a sociedade e tratado o software livre e a inclusão digital como política pública prioritária. Entre os resultados desse diálogo estão programas importantes em curso no País.“

 

Adicionar comentário

Política de Comentários DI

Ao efetivar um comentário, o internauta concorda com a nossa política de moderação.


Código de segurança
Atualizar