Em assembleia, professores estaduais de SC decidem manter greve Imprimir E-mail
Educação
Qui, 16 de Abril de 2015 08:19

Conforme reportagem do jornal Diário Catarinense, uma reunião foi realizada na tarde dessa quarta-feira (15), em Florianópolis. 'O que o governo nos enviou é uma proposta pior', afirma o sindicato da categoria (SINTE-SC). Professores de SC estão em greve desde o dia 24 de março. Em Itapoá, professores da Escola Nereu Ramos também aderiram ao movimento de greve. Cerca de 1000 alunos estão sem aulas. Além da questão salarial, situação da infraestrutura da escola está em precárias e alarmantes condições.

Os professores da rede estadual votaram pela continuidade da greve, após rejeitarem a nova proposta de plano do magistério enviado pelo governo na segunda-feira (13). A decisão foi tomada por unanimidade durante assembleia na tarde desta quarta (15), segundo o Sindicato dos Trabalhadores em Educação na Rede Pública (Sinte).

“Continuamos em greve e vamos aguardar a negociação”, afirma o coordenador estadual do órgão, Luiz Carlos Vieira.
De acordo com o Sindicato, a nova proposta do governo estadual é "pior que a anterior". Apesar disso, Vieira afirma que ela contempla algumas das reinvindicações da categoria.

A questão principal é que o governo não abre mão da regência de classe. O que ele faz é um aumento nominal e não real, vai continuar igual ao que já estava e com o passar dos anos vai diluindo, pois o reajuste que ele está indexando é do Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação) e o ele não cresce anualmente", explica Vieira.

No novo plano do magistério, o governo propõe incorporar o bônus da regência de classe ao valor do salário. Hoje, ele é dado como um salário adicional e quando há reajuste, este é aplicado sobre a remuneração e a bonificação, segundo o Sinte.


Decisão do sindicato é acatada

Já na noite de terça-feira (14), o comando de greve do Sindicato se reuniu e decidiu que a greve continuaria, mas a decisão final seria dos participantes da assembleia nesta quarta, que acataram o indicativo do Sinte por unanimidade. Cerca de 3 mil professores participaram da reunião.

Após a assembleia, eles foram para o Centro da capital participar dos protestos contra a lei da terceirização.

Em nota, a Secretaria de Estado da Educação diz lamentar a posição do Sindicato pela continuidade da greve e que mantém a posição de não negociar.

"A Medida Provisória 198 foi revogada pelo governo do estado como forma de demonstrar flexibilidade para negociação. Também foi um gesto de boa vontade do governo, o acordo para não contabilizar as faltas durante a greve, mediante plano de reposição de aulas e encerramento da greve esta semana", informa o órgão em nota.


Entrega da proposta

O governo do estado entregou a proposta do novo plano de carreira do magistério estadual Sinte/SC na segunda-feira (13). A proposta foi encaminhada em ofício à entidade. Durante a tarde, o projeto também foi apresentado pelo secretário de Estado da Educação, Eduardo Deschamps, em webconferência aos gerentes de educação e diretores escolares.

De acordo com o secretário de Estado da Educação, Eduardo Deschamps, a negociação do plano será feita se a categoria encerrar a greve.
Segundo o Sinte, 30% dos professores estão paradose, mas o estado reconhece apenas 10% dos cerca de 35 mil docentes do magistério estadual.
Os professores de Santa Catarina estão em greve desde o dia 24 de março, mas um mês antes, em 24 de fevereiro, começaram a fazer "vigílias" de algumas horas todas as terças-feiras na Assembleia Legislativa doe stado (Alesc), para pressionar os deputados a retirarem a Medida Provisória 198/2015 da pauta de votação. Ela entrou no dia 3 de abril e foi retirada pelo governo na última quarta (8).


Proposta

Entre os itens do novo plano de carreira do magistério estão a descompactação da tabela salarial, progressão horizontal a cada três anos, aumento progressivo das diferenças entre níveis, até que o nível superior seja 40% maior que o médio e a lei do professor por contratação temporária (ACT).

Deschamps explica que os valores salariais foram remanejados, principalmente no nível e referência inicial dos professores efetivos, para incluir o professor ACT dentro da nova carreira. Ainda conforme a Secretaria de Estado da Educação, a regência de classe será incorporada ao vencimento e não deve alterar a remuneração.

“Fazer a descompactação com aplicação do reajuste do piso todos os anos nos níveis iniciais de carreira significa dar ganhos maiores. Os professores de nível médio vão continuar sendo beneficiados em detrimento do professor de ponta de carreira. Então a incorporação da regência, que não muda valor de salário de professor, é um ponto fundamental para fazer a descompactação da carreira”, afirmou Deschamps.

A SED informou que deve finalizar o projeto da aplicação do novo plano e Lei do ACT e apresentar à Casa Civil para que esta encaminhe a proposta à Assembleia Legislativa de Santa Catarina.


Reivindicações

Além da revogação da MP 198/2015, outros três pontos integram a lista de reivindicações da categoria, entre eles a incorporação da gratificação de regência de classe.

Para a categoria, esta mudança traria perdas financeiras aos docentes. Além disso, a gratificação por triênio que, hoje, é somada sobre o salário e a gratificação, seria aplicado somente sobre o valor final.

Outro ponto que a categoria pede é a retirada do nível de formação do ensino médio da tabela salarial. Para o Sinte/SC, esta situação faria com que o estado deixasse de ser obrigado a cumprir o piso nacional para a categoria, que é atualizado com base no ensino médio tabela salarial.

Além disso, os grevistas são contrários à criação de gratificação por produtividade.


Negociações


Na quinta-feira (9) o secretário de Educação havia falado sobre a proposta ao Sinte. Desde a data o Sindicato aguardava a entrega oficial da proposta. No entanto, logo após o início da greve Deschamps enfatizou que negociava apenas se a categoria voltasse a trabalhar.

Os professores chegaram a ocupar a Assembleia Legistativa de Santa Catarina por dois dias. Eles deixaram o local no início da tarde desta quinta (9). Segundo o Sinte/SC, a desocupação ocorreu depois do anúncio de revogação da Medida Provisória (MP) 198/2015, que previa alterações nos salários dos professores temporários do estado (ACTs). A MP 198 foi retirada da pauta de votação na quarta.

A medida estava na pauta desde 3 de março, mas não chegou a ser votada "por falta de consenso, por parte da categoria e também entre os deputados", afirmou o líder do governo na Alesc, Silvio Dreveck (PP).



Situação na Escola Nereu Ramos de Itapoá


A única escola da rede estadual em Itapoá teve a adesão de 28 professores até o final desta quarta-feira (08). As aulas regulares estão totalmente paralizadas e apenas o CEJA mantém funcionamento parcial. Conforme os professores, a decisão pela greve é uma luta pela educação de qualidade, pela valorização da carreira do magistério e por mais investimento nas escolas.

A Escola Nereu Ramos de Itapoá apresenta uma precária infraestrutura e graves problemas. Não é novidade a situação do ginásio de esportes interditado há mais de 7 anos. Inclusive, recentemente os 9 (nove) vereadores de Itapoá aprovaram por unanimidade a proposição da vereadora Márcia Soares (PSDB), para viabilizar melhorias na EEB Nereu Ramos, por meio da Indicação nº 35/2015 (clique aqui para acessar).

Fonte: Jornal Diário Catarinense - Grupo RBS.

Foto de João Salgado/RBS TV.


Matérias relacionadas:

- Governo volta atrás e anula Medida Provisória que trata da remuneração dos professores

- Professores da rede pública estadual confirmam greve a partir desta terça-feira (24)

 

Adicionar comentário

Política de Comentários DI

Ao efetivar um comentário, o internauta concorda com a nossa política de moderação.


Código de segurança
Atualizar