Profissionais da Educação de Itapoá promovem ação de apoio à Greve Nacional dos Trabalhadores em Educação Imprimir E-mail
Educação
Sáb, 17 de Março de 2012 11:35

Profissionais da Escola Municipal Monteiro Lobato, de Itapoá.Entre os dias 14 e 16 de março de 2012, as escolas públicas de nível básico, em todo Brasil, paralisaram suas atividades para protestarem contra o descaso de grande parte dos gestores públicos quanto à Educação.

Embora o Brasil, nos últimos anos, venha galgando importantes resultados socioeconômicos - já tendo alcançado o posto de 6ª economia do mundo -, a educação continua sendo um entrave para a inclusão de todos os brasileiros e brasileiras no processo de desenvolvimento sustentável.

Cada vez mais, os meios produtivos exigem maior e melhor qualificação profissional, e as relações socioculturais e ambientais, idem. Sendo que é papel da escola pública garantir o acesso e a permanência de todos ao conhecimento e à participação cidadã na vida política, social e econômica do país.

À luz desses objetivos, que defendemos para a escola pública, a pauta da CNTE (Confederação Nacional dos Trabalhadores da Educação) para a Greve Nacional dos Trabalhadores(as) em Educação consistiu em:
- ampliar o investimento em educação para 10% do Produto Interno Bruto (PIB), ao longo da próxima década, e exigir a aprovação do novo Plano Nacional de Educação;
- garantir o cumprimento imediato e integral da lei federal nº 11.738, que vincula o piso salarial profissional nacional à carreira do magistério;
- implementar a gestão democrática em todas as escolas e os sistemas de ensino, conforme preceitua as normas educacionais e o Estatuto da Criança e do Adolescente;
- impedir a terceirização das funções escolares, sobretudo daquelas desempenhadas pelos funcionários da educação; e
- assegurar outras pautas locais da educação e de seus trabalhadores.

Como ação de apoio à Greve Nacional dos Trabalhadores(as) da Educação, profissionais da Escola Municipal Monteiro Lobato, no bairro Samambaial, de Itapoá levantaram a bandeira em defesa da Educação Pública e apoiaram a pauta da CNTE.

Nessa sexta-feira (16), a Escola fez um apoio à organização nacional, através de um ato. Pela manhã, os alunos foram recebidos na escola e fizeram uma atividade de conscientização sobre os protestos que estão ocorrendo em todo o Brasil. A atividade consistiu em explicar o motivo da paralisação e solicitar aos alunos que, anonimamente, elaborassem um texto sobre o assunto.

Os textos surpreenderam, positivamente, os profissionais da escola. Segundo a escola, poderiam ter sido escolhidos vários deles, mas foram separados os dois abaixo, para divulgação. Eles foram copiados na íntegra.

Texto 01:
“Professores especiais enviadas para lutar contra a falta de educação. Professores são pessoas que devem ser admiradas, respeitadas e amadas e entendidas. Professores são pessoas que enfrentam a luta diária embaixo de de sol e chuva, calor e frio. Doentes ou não eles estão lá.
Esses heróis chamados professores, não fazem tudo isso por eles, mas sim por um país melhor e cidadãos melhores”.

Texto 02:
“Eu acho justo porque cada um tem seu direto, e se não tem deveriam lutar por eles. A greve é um jeito de lutar e eu apoio”.

Segundo Marcelo Schatzmann, professor da Escola, os textos demonstraram o carinho que os alunos têm pela categoria. “Eles estão conscientes sobre a importância de se mobilizar para mudar uma condição injusta. Hoje, nós, profissionais da Educação, estamos contentes por estar contribuindo para a luta nacional. Cumprimos o nosso objetivo do dia, que foi despertar a cidadania em nossos alunos”, conclui.

Informações da CUT (Central Única dos Trabalhadores) e do professor Marcelo Schatzmann, com adaptações do Diário de Itapoá. Foto cedida pelo professor Marcelo Schatzmann.



 

Adicionar comentário

Política de Comentários DI

Ao efetivar um comentário, o internauta concorda com a nossa política de moderação.


Código de segurança
Atualizar