Escola Nereu Ramos está interditada e aulas suspensas Imprimir E-mail
Educação
Qua, 04 de Agosto de 2010 09:07

Os alunos do Colégio Nereu Ramos de Itapoá mal retornaram às aulas na segunda-feira (02) e já entraram de férias novamente. Isso porque um problema na caixa de gordura da cozinha da escola levou a Vigilância Sanitária do Município a interditar a escola.


O mau cheiro e a impossibilidade de se utilizar a cozinha, após várias notificações da Vigilância Sanitária, foram fatores decisivos para a interdição da escola inteira. O problema começou há cerca de 60 dias, quando a gordura começou a vazar e a invadir o pátio. Segundo a secretária de Saúde Cristiane Motta, com as reclamações dos estudantes, a Vigilância foi chamada para vistoriar a escola. Na época, apenas a cozinha foi interditada e os alunos passaram a receber lanches na hora do almoço.

Promotoria da Comarca de Itapoá
A Promotora Dra. Bárbara Elisa Heise, da Comarca de Itapoá, também se manifestou. Segundo informações, a promotora recebeu uma denúncia do problema com a caixa de gordura da Escola Nereu Ramos e estaria acompanhando a situação, inclusive enviando um ofício à Gerência Regional de Educação de Joinville no dia 8 de julho sobre a grave situação da cozinha, apontada pela Vigilância Sanitária.

GERED - Gerência de Educação de Joinville
Segundo o Gerente da Educação – GERED - Sr. Oscar Antonio do Amaral Maia, a situação noticiada na referida denúncia não procedia, pois ao se detectar o problema, a GERED supostamente já havia realizado os serviços de emergência, inclusive a pedido da Vigilância Sanitária de Itapoá: corte de duas árvores que implicariam em problemas para sistema de esgoto, limpeza da caixa de gordura da escola e execução de sumidouro.
Ainda segundo o Sr. Oscar, encontra-se em fase de projeto o sistema de caixa de gordura, com as tubulações dimensionadas para atender a escola e a readequação do sumidouro, conforme a orientação e a norma da Vigilância Sanitária do Município.

Vigilância Sanitária de Itapoá
Segundo Edson Proença, da Vigilância Sanitária de Itapoá, houve a garantia de que a reforma do encanamento ficaria pronta até o retorno das aulas. “Mas o que fizeram para arrumar ficou errado. Apenas abriram um buraco, encheram de pedras e ligaram o cano da caixa ao buraco”, relata o fiscal.

A reforma, além de não resolver o problema, desrespeita regras ambientais que exigem sistemas de tratamento com caixas de gordura e sumidouro que tenham fluxo ascendente a pelo menos 1,5 metro dos lençóis freáticos. Agora, a cozinha passa por nova reforma e a nova promessa é de que seja concluída hoje (04) para que os alunos possam retornar às aulas na quinta-feira (05).





 

Adicionar comentário

Política de Comentários DI

Ao efetivar um comentário, o internauta concorda com a nossa política de moderação.


Código de segurança
Atualizar