Quatro empresas do Norte de SC contam como vão ampliar os negócios em 2013 Imprimir E-mail
Economia
Sáb, 12 de Janeiro de 2013 21:34

Perini investirá R$ 40 milhões este ano. Foto de Diógenes Pandini, da Agência RBS.Valor dos investimentos crescerá entre 7% e 10% neste ano

Atenção, empresários que planejam ampliar ou modernizar o parque fabril: este é o momento de investir. A linha de financiamento mais tradicional para compra de máquinas e equipamentos está com as taxas mais baixas da história.

A linha Finame-PSI, do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), começa o ano com encargos de 3% ao ano – de setembro a dezembro de 2012, chegou cair para 2,5% anuais. Apenas recursos não reembolsáveis são mais atrativos, segundo a instituição.

A Finame-PSI tem um papel estratégico nos planos do governo federal, segundo Cláudio Bernardo de Moraes, superintendente da área de operações indiretas do BNDES, que efetua a maior parte dos desembolsos do PSI.

— As mudanças implementadas em 2012 e as que começam a vigorar neste ano oferecem aos empresários condições excepcionais e devem ajudar o Brasil a retomar a trajetória de expansão do investimento —, diz.

— As companhias receberam um novo alento para colocar em prática seus projetos e têm um horizonte definido até o final deste ano —, acrescenta.

O presidente da Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (Fiesc), Glauco José Côrte, espera que o volume de investimento no Estado cresça entre 7% e 10% até o final de 2013.

— Com a instalação da BMW, em Araquari, vai aumentar ainda mais.

O Perini Business Park, de Joinville, está entre os nomes da região Norte de Santa Catarina que farão parte deste crescimento. O condomínio vai investir R$ 40 milhões em 2013.

O presidente do Grupo Perini na América Latina, Marcelo Hack, afirma que o Finame-PSI beneficia investimentos tanto de empresas de bens de capital quanto da cadeia de fornecimento por ter encargos mais baixos do que a inflação.

Assim como o Perini, Ciser, ArcelorMittal e Porto Itapoá também vão marcar 2013 como um ano de investimentos, o que empolga instituições financeiras que atuam na região. Os bancos esperam que o volume de negócios neste ano supere o de 2012.

O presidente da Fiesc avalia que só o consumo não terá capacidade para sustentar a taxa de crescimento econômico. Para ele, os investimentos industriais são necessários para que ocorra o aumento da capacidade produtiva futura e, com isso, o estímulo à geração de emprego e renda. Ele vê na necessidade de trocar o consumo de produtos importados pelos nacionais outro motivador para os investimentos.


Do site do Diário Catarinense. Na imagem, a Perini Business Park, em foto de Diógenes Pandini, da Agência RBS.



 

Adicionar comentário

Política de Comentários DI

Ao efetivar um comentário, o internauta concorda com a nossa política de moderação.


Código de segurança
Atualizar