Coordenador do Serviço Aquático de Itapoá esclarece dúvidas e procedimentos em relação a queimaduras de água viva Imprimir E-mail
Bombeiros
Qui, 02 de Fevereiro de 2012 14:27

Soldado bombeiro militar Greffin, coordenador do Serviço Aquático de Itapoá.As águas-vivas e caravelas são muito comuns em nossas praias por preferirem as águas com fundo arenoso. Sua maior incidência, em nosso litoral, ocorre no verão e, principalmente, durante as tempestades e ressacas, quando podem atingir algumas praias em grande número. Geralmente, flutuam calmamente na superfície e, apesar de se deslocarem, estão em grande parte à mercê das correntes e ondas. Para capturar seu alimento, elas inoculam sua peçonha através dos nematocistos. Cada nematocisto possui uma pequena cápsula arredondada contendo a peçonha e uma ponta que é projetada para fora aoentrar em contato com a vítima. Cada água-viva possui milhares de nematocistos prontos para serem disparados ao entrar em contato com a pele humana.


Sinais e Sintomas:

− os mais comuns são as urticárias e queimaduras locais dolorosas, que podem durar de 30 minutos a 24 horas;
− nos casos mais graves, podem ocorrer dor de cabeça, mal-estar, náuseas, vômitos, câimbras e outros sintomas que vão desde a dificuldade respiratória até as arritmias cardíacas, paralisia, delírio e convulsão;
− a morte é rara, mas pode ocorrer por insuficiência respiratória ou choque, provocado por efeito da intoxicação ou de anafilaxia.


Tratamento pré-hospitalar:

1. Não permitir que a vítima coce o local;
2. Se possível, remover cuidadosamente os tentáculos aderidos, e NUNCA esfregar a região atingida, pois aumenta o rompimento dos nematocistos;
3. Lavar abundantemente a região atingida com a água do mar para remover ao máximo os nematocistos e os tentáculos aderidos à pele. Não utilize água doce, pois ela pode romper (por osmose) os nematocistos que ainda não descarregaram sua peçonha;
4. Lavar a região, sem esfregar, com ácido acético a 5% (vinagre) por cerca de 5 a 10 minutos e alternar com água do mar por 2 a 3 vezes. O vinagre desativa os nematocistos ainda íntegros e neutraliza a peçonha, mas não tem ação sobre a dor;
5. Caso a dor continue, use compressas geladas no local;
6. Havendo reação alérgica ou inflamatória importante, a vítima deverá ser conduzida para atendimento médico.

Do soldado bombeiro militar Greffin, coordenador do Serviço Aquático de Itapoá, com informações do Protocolo Revisado Salvamento Aquático 2011.

 

Adicionar comentário

Política de Comentários DI

Ao efetivar um comentário, o internauta concorda com a nossa política de moderação.


Código de segurança
Atualizar